O governo venezuelano disse que frustrou uma tentativa de invasão marítima por “mercenários terroristas” da Colômbia.

Em um discurso televisionado, o ministro do Interior, Nestor Reverol, disse que o grupo chegou em lanchas no estado costeiro de La Guaira no início do domingo.

O presidente Nicolás Maduro frequentemente acusa os adversários de tentarem derrubá-lo com o apoio dos EUA.

A oposição venezuelana rejeitou as acusações, dizendo que a aparente incursão foi encenada.

A Colômbia descreveu a afirmação do governo como infundada. A Venezuela rompeu relações diplomáticas com a Colômbia no ano passado.

No comunicado do governo venezuelano, Reverol disse que o grupo havia desembarcado na cidade de Macuto, cerca de 34 quilômetros ao norte da capital Caracas.

O governo venezuelano disse que frustrou uma tentativa de invasão marítima por “mercenários terroristas” da Colômbia.

Em um discurso televisionado, o ministro do Interior, Nestor Reverol, disse que o grupo chegou em lanchas no estado costeiro de La Guaira no início do domingo.

O presidente Nicolás Maduro frequentemente acusa os adversários de tentarem derrubá-lo com o apoio dos EUA.

A oposição venezuelana rejeitou as acusações, dizendo que a aparente incursão foi encenada.

A Colômbia descreveu a afirmação do governo como infundada. A Venezuela rompeu relações diplomáticas com a Colômbia no ano passado.

No comunicado do governo venezuelano, Reverol disse que o grupo havia desembarcado na cidade de Macuto, cerca de 34 quilômetros ao norte da capital Caracas.

Juan Guaidó, que é reconhecido por mais de 50 países como líder legítimo da Venezuela, acusou o governo do presidente Maduro de tentar distrair as pessoas dos recentes surtos de violência – incluindo um tumulto mortal na prisão na sexta-feira e uma batalha de gangues em Caracas na noite de sábado.

“O regime está tentando desviar a atenção com um suposto incidente atormentado por inconsistências, dúvidas e contradições”, disse sua equipe de imprensa.

Guaidó tem o apoio de Washington, que prometeu usar duras sanções para forçar o presidente Maduro e o Partido Socialista a deixar o cargo.