O presidente brasileiro Jair Bolsonaro deu positivo para o COVID-19, anunciou hoje . Ele tem 65 anos. No fim de semana, ele participou de um evento do Dia da Independência dos EUA com o embaixador dos EUA, Todd Chapman. Nem Bolsonaro nem Chapman usaram uma máscara no evento.

Como o presidente dos EUA, Donald Trump, Bolsonaro minimizou os riscos e a extensão da pandemia da COIVD-19 e disse que o perigo era exagerado pela mídia. O Brasil agora tem o segundo pior surto do mundo, atrás dos Estados Unidos. Até o momento, houve mais de 1,6 milhão de casos no país e mais de 65.000 pessoas morreram da doença. Lojas e empresas são totalmente reabertas em cidades de todo o país, e máscaras não são necessárias.

A CNN Brasil informou na segunda-feira que Bolsonaro estava com febre, o que seu gabinete negou, embora tenha dito hoje aos apoiadores que ele tinha febre, fadiga e dores musculares antes do teste. Ele disse que uma varredura de seus pulmões mostrou que eles estavam “limpos”.

Bolsonaro disse que está tomando hidroxicloroquina, apesar de ensaios clínicos mostrarem que o medicamento não funciona em pacientes com COVID-19. Como Trump, ele promoveu a droga como uma cura, apesar da falta de evidências.

Outros líderes mundiais, incluindo o presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, e o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, também contraíram o vírus.

Bolsonaro foi testado para o COVID-19 em março depois que seu assessor deu positivo para o vírus. Ele acabara de assistir a um jantar com Trump em Mar-a-Lago, na Flórida.

No momento da publicação, existem mais de 11,6 milhões de casos confirmados da doença em todo o mundo e mais de 539.000 pessoas morreram.