A polícia nigeriana diz que prendeu um homem depois que 40 pessoas foram estupradas em uma cidade durante o período de um ano.

Uma mãe na cidade de Dangora, no norte, pegou o homem no quarto de seus filhos, segundo o porta-voz da polícia Abdullahi Haruna. O homem fugiu, mas os vizinhos o perseguiram eo pegaram, acrescentou.

O homem foi preso na terça-feira.

A polícia diz que a série de estupros incluiu um ataque a 80 anos e crianças a partir dos 10 anos.

Houve uma onda recente de estupros e assassinatos de mulheres na Nigéria, que levaram a um protesto nacional, com milhares assinando uma petição e usando a hashtag #WeAreTired.

Dangora é uma pequena cidade no estado de Kano, a cerca de 85 quilômetros a sudoeste da cidade de Kano, dificultando o acesso da polícia, relata Mansur Abubakar da BBC de Kano.

O chefe da cidade, Ahmadu Yau, disse que a prisão é um acontecimento bem-vindo.

“O povo de Dangora está muito feliz neste momento e esperamos que a justiça seja servida adequadamente.”

Os moradores disseram à BBC que haviam vivido o último ano com medo, mesmo em suas próprias casas, porque ouviram que um estuprador em série estava subindo cercas e estuprando mulheres dentro de casa.

“Agora podemos dormir com os olhos fechados”, disse uma mulher à BBC.

Nigéria

  • A estudante universitária Uwavera Omozuwa é supostamente estuprada e morre em uma igreja depois que sua cabeça é esmagada com um extintor de incêndio; um suspeito foi preso
  • Uma menina de 12 anos é estuprada por dois meses no noroeste de Jigawa; 11 prisões foram feitas
  • Tina Ezekwe é morta por um policial no sudoeste do estado de Lagos; dois policiais foram presos
  • Barakat Bello é supostamente estuprado por gangues e assassinado no sudoeste do estado de Oyo; Nenhuma prisão foi feita
  • Uma menina de 17 anos é estuprada em gangue no sudoeste do estado de Ekiti; duas prisões foram feitas

Se você foi afetado por abuso sexual ou violência na Nigéria, ajuda e apoio estão disponíveis em Naptip.

Os resultados de uma pesquisa publicada pela NOIPolls em julho de 2019 sugeriram que até uma em cada três meninas que vivem na Nigéria poderia ter sofrido pelo menos uma forma de agressão sexual aos 25 anos.

Não é incomum que o estupro não seja relatado – com algumas vítimas e suas famílias, temendo estigmatização, extorsão policial e falta de confiança no processo judicial, optando por não denunciar os casos às autoridades.