O ex-conselheiro e confidente de Trump, Roger Stone, não vai para a cadeia depois de violar sua ordem de mordaça. Em vez disso, um juiz na terça-feira condenou-o a um destino muito pior: Stone foi proibido de postar no Facebook, Instagram e Twitter, segundo o BuzzFeed News .

Em fevereiro, a juíza distrital americana Amy Berman Jackson impôs uma ordem a Stone, impedindo-o de falar sobre seu caso legal em andamento ou sobre a investigação do advogado especial sobre a campanha de Trump. Esta ordem da mordaça veio logo depois que Stone fez uma turnê de palestras em redes como a CNN e a Fox News depois que ele foi indiciado pelo conselho especial.

Mas apenas uma semana depois de ser amordaçada, Stone postou uma foto de Jackson no Instagram com uma imagem de mira perto da cabeça dela. Stone disse que a imagem era parte de um logotipo retratado no fundo da imagem, e ele apagou o post logo após ser publicado, recrutando-o para que o alvo não fosse visível. Após o incidente com a mira, Jackson proibiu Stone de postar nas redes sociais, a menos que ele pedisse para seus seguidores apoiarem seu fundo de defesa legal ou proclamassem sua inocência, mas agora ele não pode mais postar nada.

Stone tem estado em apuros por seus posts que se transformaram em linguagem vil, homofóbica e racista. Em outubro de 2017, ele foi suspenso do Twitter depois que as personalidades da CNN Don Lemon e Ana Navarro as chamaram de “covksucker [s]” e “dumbfuck [s]”. Depois de ser expulso do Twitter, Stone passou a maior parte do tempo postando bizarro retratos e links para mercadorias em propriedades do Facebook, onde ele ainda tem que ser banido pelas próprias plataformas.

Se Stone continuar a postar na mídia social depois de hoje, ele pode ser encontrado em desacato ao tribunal e enfrentar o tempo de prisão.

Fonte: The Verge