Uma freira católica indiana expulsa depois que se manifestou contra um bispo acusado de estupro diz que ela foi “negada justiça” pelo Vaticano.

A irmã Lucy Kalappura disse que ficou decepcionada com a decisão do Vaticano de rejeitar seu apelo contra sua demissão da Congregação Franciscana Clarista (FCC) no estado de Kerala.

Ela disse que não deixaria o convento e agora planeja ir a tribunal.

A irmã Lucy participou de protestos contra o bispo Franco Mulakkal em 2018.

Mais tarde, ele foi preso por acusações de estuprar uma freira várias vezes entre 2014 e 2016. O bispo nega todas as acusações contra ele.

A FCC disse que a irmã Lucy foi expulsa, alegando que seu “estilo de vida viola as leis apropriadas” da congregação. A irmã Lucy, no entanto, disse que foi demitida por ter tido um papel de destaque nos protestos contra o bispo.

Ela disse à BBC Yogita Limaye que “não estava nada satisfeita” com a resposta do Vaticano. Ela alega que os funcionários da igreja nem sequer entraram em contato com ela para obter seu lado da história.

“Não vou sair do convento. O estilo de vida que conduzo é de acordo com as regras e regulamentos”, acrescentou.

Embora a carta que recebeu do Vaticano diga que poderia “apresentar um novo recurso” se sentir que a decisão era “contra seus direitos legais”, ela disse que não tinha planos de apelar.

“Sou permitido um segundo apelo, mas não vejo sentido em fazê-lo, uma vez que eles se decidiram. Agora vou a tribunal em nome de todas as pessoas que estão sendo reprimidas e que enfrentam comportamentos ilegais por parte das autoridades do país”. congregação “, disse ela à BBC.

Outras freiras que protestaram contra o bispo acusaram a igreja em Kerala, bem como as autoridades do Vaticano de fechar os olhos às acusações de estupro.

Eles dizem que enviaram uma carta ao embaixador do Vaticano na Índia e até escreveram ao Vaticano, mas também não receberam resposta.

Também houve várias medidas punitivas contra as freiras que protestaram, incluindo avisos disciplinares e avisos de transferência.

Enquanto testemunhava em um tribunal local, um deles disse ao juiz que a igreja estava tentando “sabotar” as evidências para proteger o bispo .