A Câmara dos Deputados dos EUA aprovou uma resolução amplamente simbólica que visa limitar a capacidade do presidente Donald Trump de fazer guerra ao Irã.

A medida foi aprovada na câmara dirigida pelos democratas 224-194, mas enfrenta uma subida árdua no Senado.

Seu objetivo é exigir a aprovação do Congresso para qualquer conflito com o Irã, exceto nos casos de um ataque iminente contra os EUA.

Nem os EUA nem o Irã declararam planos para novas ações militares.

O Irã lançou esta semana mísseis nas bases iraquianas que abrigam as forças americanas, sem ferir ninguém, depois que os EUA mataram na semana passada um alto comandante iraniano em um ataque de drone em Bagdá.

A medida de quinta-feira direcionou o presidente a “encerrar o uso das Forças Armadas dos Estados Unidos” contra o Irã, a menos que seja concedida autorização do Congresso.

Ofereceu uma exceção quando necessário para “defender-se de um ataque armado iminente”.

Mesmo que a medida da Câmara cancelasse o Congresso, ela não enfrentaria um potencial veto de Trump porque é conhecida como uma resolução simultânea, que não requer uma assinatura presidencial.

A proposta citava a Lei de Poderes de Guerra de 1973, que concedia ao Congresso a capacidade de controlar o poder do presidente de comprometer os EUA a conflitos armados.

Mas as questões legais permanecem sem solução sobre se o Congresso pode usar uma resolução simultânea para vincular o presidente.

A líder democrata da Câmara, Nancy Pelosi, disse na quinta-feira que não acredita que Trump tenha tornado os EUA mais seguros após o ataque de drones da semana passada que matou o comandante iraniano Qasem Soleimani.

O líder republicano da Câmara, Kevin McCarthy, da Califórnia, classificou a resolução como “votação sem sentido”, enquanto o republicano Whip Steve Scalise a rejeitou como “um comunicado de imprensa”.

Trump, republicano, twittou que esperava que “todos os republicanos votem contra a Resolução de Poderes de Guerra de Crazy Nancy Pelosi”.

Ele também fez uma nova alegação sobre a inteligência por trás do ataque aéreo, dizendo a repórteres na Casa Branca que os iranianos estavam “procurando explodir nossa embaixada” no Iraque.

A resolução dos poderes de guerra ganhou força depois de um briefing do congresso na quarta-feira por funcionários do governo que tentavam justificar o ataque.

Após o briefing do secretário de Estado, secretário de Defesa e diretor da CIA, dois senadores republicanos quebraram fileiras.

Mike Lee, de Utah, e Rand Paul, de Kentucky, disseram que podem apoiar uma resolução semelhante no Senado, buscando limitar os poderes de guerra do presidente.

Sua deserção potencial aumenta as chances da medida na câmara alta, onde os republicanos detêm uma maioria de 53-47.

Lee disse aos repórteres que “foi o pior briefing que vi pelo menos em uma questão militar nos nove anos em que servi”.

Ele disse que os funcionários do governo pediram que eles nem debatem a autoridade do presidente de atacar o Irã. Ele descreveu a abordagem deles como “não americana” e “insana”.

Mas a maioria dos legisladores republicanos apoiou o presidente.

Doug Collins, da Geórgia, afirmou que os democratas estavam “apaixonados por terroristas” e lamentavam mais por Soleimani do que pelo pessoal de serviço dos EUA morto pelo comandante iraniano.

“Eles lamentam Soleimani mais do que nossas famílias Gold Star, que sofreram com Soleimani”, disse ele à Fox News.