O ministro das Finanças da França disse que continuará a realizar um plano para taxar empresas de tecnologia, apesar da ameaça de tarifas sobre produtos franceses do presidente dos EUA, Donald Trump, segundo a Reuters .

O Senado do país aprovou o controverso projeto de lei no início deste mês , e foi assinado em lei pelo presidente Emmanuel Macron nesta semana. O projeto coloca um imposto de 3 por cento sobre as empresas de tecnologia que faturam mais de 750 milhões de euros (834 milhões de dólares) em receita global e 25 milhões de euros na França, e teria como meta a receita que essas empresas ganham no país. Segundo o The Washington Post , isso afetaria quase 30 empresas em todo o mundo, não apenas empresas dos Estados Unidos.

Em resposta, Trump twittou ontem que a Casa Branca “anunciará uma ação recíproca substancial” e que poderá cobrar um imposto contra o vinho francês. O Escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos também abriu uma investigação sobre o imposto. A Casa Branca ainda não anunciou qual será a “ação recíproca”, mas o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, está instando os EUA a não “misturar as duas questões”, referindo-se ao escárnio de Trump em relação ao seu vinho, e disse que os países devem “obter consenso sobre a tributação justa das atividades digitais”.

Fonte: The Verge